Youtube entra para o mercado pago de músicas

20 de junho de 2014
youtube blog

Há meses que rolam boatos de que o Youtube entraria para o mercado de músicas por streaming. E nessa semana, finalmente as especulações foram confirmadas.

 

O serviço, que será pago, começa a funcionar em setembro e permitirá ao usuário do site ouvir músicas e álbuns inteiros sem propagandas, online e off-line. O site de vídeos já é usado para este fim atualmente, de forma “clandestina” e com as propagandas que atrapalham a experiência.

 

O Youtube passa a disputar mercado com empresas como Spotify e Deezer, principais representantes do segmento.

 

Com o anúncio do serviço pago de streaming, veio também outra notícia: em questão de dias, vídeos de músicas de empresas que não aceitaram os novos termos seriam bloqueados. Isso alarmou os representantes menores do mercado fonográfico. Mas não é bem assim que as coisas acontecerão: os vídeos de gravadoras que não participam dos novos termos não poderão mais ter anúncios, e por isso, não ganharão dinheiro algum.

 

95% do mercado fonográfico presente no Youtube é representado pela Universal, Sony e Warner, que aceitaram os novos termos de streaming. É interessante observar que os outros 5% de gravadoras menores também possuem contrato com nomes importantes da música, como é o caso da XL Recordings, que trabalha com Adele, Radiohead e The xx. Estes não poderão anunciar nos seus vídeos.

 

Como fica o Youtube para o usuário? Os detalhes ainda não são muito conhecidos, mas os vídeos devem continuar liberados de graça, mas com propagandas. Isso falando das músicas das gravadoras que participam do novo serviço. Os outros 5% do mercado não terão retorno financeiro do Youtube, mas acredita-se que mesmo assim coloquem seus vídeos no site.

 

O que isso pode causar? O Youtube é muito grande e poderoso, mas já começa a se falar na ascensão de uma nova plataforma de vídeos. É como se o Facebook começasse a ter recursos pagos: a reação dos usuários a essa capitalização pode não ser muito positiva. Resta esperar para ver no que vai dar, se o serviço terá sucesso ou não, mas de uma coisa podemos ter certeza: a internet se renova e os usuários vão dar um jeito de ficar bem.

 

Fonte: Olhar Digital

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>