Quase metade das empresas não usa a web para negócios na região

9 de julho de 2013
mercado online menor

Sempre publicamos aqui notícias e reflexões sobre marketing digital ou infográficos com os dados mais variados sobre nossa área. Na maioria das vezes, a abrangência das informações é nacional ou internacional. Porém, não podemos nos esquecer da importância de pensar localmente.

 

Dados importantes foram divulgados no fim do último mês pelo jornal Tribuna de Minas. Segundo pesquisa realizada pelo Sebrae-MG, cerca de 48% das micro e pequenas empresas de Juiz de Fora e região “nunca” ou “raramente” utilizam a internet para fazer negócios.

 

A não utilização da rede para relacionamento com clientes e fornecedores também é comum: 45% e 44% respectivamente. De acordo com o Sebrae, a baixa utilização da internet pode ser consequência da falta de informação ou de tempo do empresário em criar e administrar mais essa “porção” do empreendimento. É nessa hora que entra em cena a agência digital!

 

Clique aqui para ver o infográfico em tamanho maior.

 

Fonte: Tribuna de Minas

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

1 Comentário
  • Celso Chapinotte
    9 de julho

    Juiz de Fora é um caso raro ou típico quando queremos analisar sob os angulos dos negócios, política, cultura e vida social… Não se discute o nível cultural da Cidade, com muitos estudantes JF é um polo Educacional Regional, a cidade leva consigo esta consequencia positiva. Sob a ótica social JF também apresenta um equilíbrio interessante, não existe o desequilibrio Social tão marcante das Cidades grandes e médias do país. Uma Classe Média MÉDIA predomina e isto possibilita um ambiente social positivo. Sob a ótica Política JF é nula, ou próxima a isto. Não tem grandes nomes no cenário político Estadual, muito menos Nacional. Os políticos aqui são, em sua maioria, abaixo daquilo que se espera de Políticos: Visionários, com Visão do todo, Empreendedores. O que se vê são Politicos com interesses pessoais, regionais, corporativistas, com muita pouca expressão, inclusive Regional. Barbacena, Muriaé, Leopoldina, Cataguases e outras Cidades menores que JF conseguiram sempre uma representatividade muito mais significativa que JF e isto explica os poucos investimentos em nossa Cidade quando tratamos de Negócios. Poucas Indústrias, Cadeias de Varejo e Empreendimentos de maior porte chegaram à Cidade nas últimas décadas e isto explica a nossa pouca aptidão para grandes negócios, que na verdade são grandes engrenagens que ativariam engrenagens menores e assim alavancariam a cidade. JF é tacanha nesta questão. Vive de seu crescimento organico, de 2 a 3 grandes Industrias (plantas Industriais), um Comércio pequeno (aliás quase todo ele calcado no comércio varejista do vestuário/alimentação e serviços básicos essenciais. Não há grandes Atacadistas ou grandes Redes. No setor de Serviços a oferta é básica, de sobrevivencia. Não requer comentários o setor do Agribusiness, já que a região de JF é pobre neste segmento. Resultado desta Equação: Uma Cidade economicamnete FRACA que não possibilita a boa alavancagem de negócios. Juiz de Fora não consegue tirar proveito dos dois aspectos positivos aqui analisados, o CULTURAL e o SOCIAL em decorrencia de uma FRACA AÇÃO POLITICA o que accarreta uma DEFICIENCIA ECONOMICA marcante. Forma muito bem uma razoável mão de obra, que é exportada para outras regiões do país, não conseguindo fixar, tirar proveito, do seu maior Capital, o HUMANO. A Política local sequer consegue perceber isto, quanto mais AGIR. Como dizem por aqui, eu repito e continuo escutando de meus Filhos: Juiz de Fora é uma cidade boa prá se viver mas péssima prá se ganhar dinheiro. Boa prá aposentados, Militares reformados, Professores Universitários e para Estudantes, mas péssima para Empreendedores, Empresários, Jovens ambiciosos e Gente que pensa mais longe. Isso vem se repetindo há décadas. O que se pode fazer? Atacar a ORIGEM do problema. Nos falamos…